Mais da metade da população apresenta algum tipo de distúrbio do sono

Mais da metade da população apresenta algum tipo de distúrbio do sono

Apreocupação excessiva e a falta de sono podem aumentar o risco de hipertensão, doenças degenerativas, obesidade, ansiedade e depressão. A médica neurologista Ester London, responsável pelo Laboratório do Sono do Hospital VITA, em Curitiba, explica que é durante o repouso que o organismo volta à condição na qual iniciou o dia. Segundo ela, é nesse período que acontece o relaxamento muscular, redução da pressão arterial, dos batimentos cardíacos e da produção de urina.

Estudo publicado na Revista Science Advanced aponta que o Brasil está entre os três países que menos dormem, são de quatro a seis horas por noite, enquanto o recomendado pela Associação Brasileira do Sono, para um adulto saudável, seria de seis a nove horas. Além disso, dados do Ministério da Saúde, IBGE e organização Mundial da Saúde (OMS) revelou que cerca de 58% dos brasileiros têm interrupção do sono pelo menos uma noite por semana e apresentam algum tipo de distúrbio do sono, como insônia, terror noturno, apneia e sonambulismo.

Rotina intensa, excesso de trabalho, estudos e utilização de aparelhos eletrônicos, como celular, são alguns motivos que estão levando os brasileiros a dormir cada vez menos.  Dra. Ester conta que uma noite mal dormida pode comprometer o desempenho das atividades diárias, pois é responsável por causar dificuldade de concentração, alterações da memória e do humor, entre outros sintomas. Além disso, “ao contrário do que muitos pensam, o sono perdido não pode ser recuperado”, destaca a especialista.

O sono é essencial para a consolidação da memória, assim como para a saúde em geral. “Embora as pessoas variem muito em suas necessidades de sono individuais, ter um sono de qualidade é ainda mais importante do que a quantidade de horas dormidas. É preciso obedecer a demanda do corpo e dormir quando ele pede. O importante é dormir quando estiver cansado e despertar descansado”, afirma a médica.

Anuncie aqui!
Anuncie aqui!
O sono é essencial para a consolidação da memória, assim como para a saúde em geral.

Dra. Ester explica que a privação de sono leva a danos secundários, isto é, dormir pouco aumenta os riscos de diabetes, hipertensão, estresse, obesidade, entre outros problemas.

Além disso, de acordo com a médica, é o momento de consolidação da memória e do controle da temperatura corporal. “Diversos hormônios são influenciados pelo sono, como a insulina, que controla a glicose no sangue, a leptina, responsável pela saciedade, a grelina, responsável por estimular o apetite, e a somatotrofina, que age no crescimento”, destaca Dra. Ester.

  • Sono x doenças degenerativas

    Estudo realizado pela Academia Americana de Neurologia associa a falta de sono ao aumento de chance de desenvolver doenças degenerativas, como Alzheimer e Parkinson. “É durante o sono que é realizada a limpeza do sistema neurológico, nesta hora ocorre a limpeza dos acúmulos da atividade celular e dos radicais livres. A falta de descanso pode aumentar as chances de demências”, alerta Dra. Ester.

  • Diagnóstico

    As alterações no sono podem ser identificadas com o auxílio de uma análise chamada de polissonografia. O exame também é indicado para diagnosticar apneia, roncos, ranger de dentes (bruxismo), fibromialgia, entre outros transtornos.

    A polissonografia é um exame que é realizado no Laboratório do Sono, no qual é reproduzido o ambiente de um quarto, onde o paciente passa a noite e tem o sono monitorado por um técnico, por câmeras e eletrodos que servem para medir as atividades cardíaca e cerebral, ronco, movimentos e oxigenação, e tem como objetivo monitorar o sono e avaliar diversos parâmetros. “A partir dos resultados, o médico tem as informações necessárias para tratar o problema da pessoa”, frisa Dra. Ester.

  • Apneia do sono

    O problema pode afetar qualquer um, inclusive crianças.  “Trata-se de uma alteração que pode acontecer durante o sono em que ocorre uma parada abrupta na respiração enquanto dorme, explica Dr. Luiz Eduardo Nercolini, otorrinolaringologista do Hospital VITA.  Pesquisas estimam que a apneia do sono afeta 4% dos homens e 2% das mulheres entre 30 e 60 anos.

    Já os sintomas relacionados à apneia do sono podem ser variados: excesso de sono durante o dia e até insônia, irritabilidade, dificuldade de concentração e memória, dor de cabeça pela manhã, roncos, pausas na respiração durante o sono.

    Dr. Nercolini esclarece que a apneia do sono pode ocorrer por vários motivos, mas principalmente por uma falha da musculatura atrás da garganta e da base da língua em manter a passagem do ar aberta, causando uma obstrução e levando a baixa oxigenação do sangue.  “Consequentemente, o ciclo de sono é quebrado para que se reestabeleça os níveis normais de oxigenação no sangue. Isso faz com que ocorra alterações nas fases do sono e por isso surgem os sintomas”, descreve.

  • Tratamento

    Conforme o grau de apneia do paciente é necessário algum tipo de tratamento. “O método deve ser individualizado para cada caso, algumas vezes sendo necessário cirurgia (nasais, palatais, na base da língua e cirurgias esqueléticas envolvendo os ossos da face) outras vezes métodos não-cirúrgicos, como o chamado CPAP (do inglês continuous positive airway pressure). “O aparelho oferece ao paciente ar pressurizado por meio de uma máscara adaptada para manter a via aérea aberta”, conclui o otorrinolaringologista.

  • Higiene do sono

    Dra. Ester London destaca a necessidade de mudar alguns hábitos, pois podem ajudar a melhorar a qualidade do sono.

    – Deitar e levantar no mesmo horário todos os dias;

    – Desligar os eletrônicos (celular, tablet, computador) pelo menos uma hora antes da hora de dormir;

    – Ler um livro e/ou escutar uma música suave para relaxar;

    – À noite, deve-se optar por refeições leves;

    – A temperatura do quarto deve ser suave (no máximo, 22 º C);

    – Usar um pijama confortável;

    – Roupa de cama limpa também ajuda a dormir bem;

    – Evitar ingerir bebida alcoólica ou com cafeína à noite;

    – O sono é induzido pelo relaxamento e a falta de luz, então deve-se relaxar e deixar o quarto escuro para seu cérebro liberar a melatonina;

    – Se acordar durante a noite e não voltar a dormir, pegue um livro para ler, isso ajuda.

    – Evitar atividades físicas perto da hora de dormir (preferir os alongamentos e relaxamentos), mas não deixar de praticar exercícios físicos regularmente, ao menos três vezes na semana. “A atividade física aeróbica é um hábito que contribui para melhorar a qualidade do sono”, ressalta a neurologista.

Anuncie aqui!
Anuncie aqui!

Receba nossas novidades

Inscreva-se! É bem fácil, basta preencher com as informações solicitadas.

Nós não fazemos spam. Você pode cancelar a inscrição a qualquer momento.

Quer ter sua matéria publicada aqui?

Envie suas pautas para imprensa@tatianamaximo.com.br, que após aprovação, teremos prazer e colocá-la em nosso blog.

Quer contratar nossos serviços?

Sua marca ou evento pode estar sendo divulgado por nossa equipe ou pela própria Tati. Entre em contato com contato@tatianamaximo.com.br