Após meses de isolamento social, algumas atividades ao ar livre foram afrouxadas e o montanhismo é uma delas. Atividades na natureza auxiliam no bem estar físico e mental das pessoas, proporcionando melhor qualidade de vida e aumentando, inclusive a imunidade. Mas sempre atentando ao distanciamento necessário e os cuidados exigidos pela OMS.

O montanhismo, exige um pouco mais de resistência física, devido aos trechos de subida e obstáculos que exigem mais do nosso preparo, um dos fatores mais importante, é que todos precisam ter energia suficiente para praticar os exercícios até o fim.

Princípios nutritivos

Todo alimento é constituído por Princípios Nutritivos (cada Princípio Nutritivo tem sua função específica no corpo), que são só glicídios (açúcares), protídeos (proteínas), lipídios (gorduras), vitaminas, minerais e água. Não há uma dieta padrão para o montanhista, mas sim uma dieta adequada a cada situação, condição ou momento da atividade física.

Deve-se evitar:

Alimentos podem prejudicar o bom desempenho do montanhista, como, por exemplo, álcool, bebidas gaseificadas, conservas, carne de porco, condimentos, vegetais com excesso de fibras e alimentos do mar, esses últimos facilmente perecíveis

❊ Procurar não ingerir muito líquido durante as refeições, pois ele dilui os alimentos, dificultando a sua absorção. Os líquidos gelados são vasos construtores  e, portanto, contraproducentes para o período digestivo.

❊ Procure não consumir muitas proteínas.

❊ Evite ingerir gorduras, especialmente a hidrogenada e frituras.

Mantenha a alimentação equilibrada irá contribuir para o seu desempenho, pois conterá diversos tipos de nutrientes para o corpo

Sanduíches leves são ótimos antes da caminhada

❊ Antes– Uma refeição completa, seja café da manhã ou almoço, que deve ser feita quatro horas antes da atividade física”. Capriche nos pães, nas massas, nos cereais e nas frutas. Duas horas antes de iniciar o trekking, um sanduíche leve e um suco são ideais.

❊ Durante– Para manter o pique e não desidratar é bom tomar água, muita água. O montanhismo é um exercício pesado, e as bebidas esportivas vão bem, além de hidratar, fornecem a quantidade certa de carboidratos. Já existem isotônicos em pó a venda nos mercados e são uma boa opção, pois evitam de o montanhista carregar peso extra com os líquidos, que podem ser captados ao longo da jornada na montanha.

❊ Depois– Assim que terminar a atividade física coma uma barra de cereais e, ainda, um copo de água. Assim você repõe rapidamente o que gastou no exercício. E, ao chegar em casa, opte por uma salada ou uma fruta, principalmente nas duas horas após os exercícios.

DICA: Nunca deixo de levar um salame, ou uma lata de sardinhas escondida dentro da bagagem.

Nos últimos anos o montanhista tem usado um tipo comida que atende perfeitamente necessidades na montanha, os liofilizados.

Os montanhistas desfrutam deste processo por ele reduzir consideravelmente o peso e volume da comida, além é claro, da longa conservação. Alguns chamam essa comida de “comida de astronauta”. De fato, os astronautas comem exatamente isso. Não confunda alimentos liofilizados com desidratados, são duas coisas completamente diferentes. Liofilizados são mais leves, conservam todas as propriedades dos alimentos, incluindo vitaminas e proteínas. Com a ausência de água nos alimentos, a comida ter seu prazo de validade quase infinito de não exposta ao meio externo. Comida desidratada este é o tipo de comida mais comum encontrado entre escaladores. Varia desde arroz semi-pronto, certos tipos de sopa, muitos tipos de pacotes de macarrão, etc. A sua produção é muito mais simples e barata que os liofilizados.

Montanhistas ou astronautas? Ambos têm a alimentação parecida e conseguem enxergar do alto a beleza desse novo normal! 


A Chef Andréa Ferreira é sócia e proprietária da empresa  Leve Vida Gourme. Siga nossa colunista nas redes sociais  @chef_andreaferreira e @gourmetlevevida.