Muitos já sabem que o tempo não é uma coisa administrável. Tempo é inelástico, não se estica e nem se encolhe. Tempo não volta atrás, pelo menos até agora (risos), você não vai mudar o que fez ou deixou de fazer. Tempo não se compra e nem se empresta. Cada um de nós tem exatamente 24 horas por dia.

Portanto, já é quase um censo comum de que não temos que administrar o tempo e sim a prioridade das coisas que temos para cumprir dentro das 24 horas que dispomos. E isto faz me lembrar da parábola do professor que pegou um vaso e foi colocando pedras grandes, depois as pequenas, depois areia e por último a água. Sempre perguntando aos alunos, em cada etapa, se o vaso estava cheio e obtendo respostas positivas em todas.

A questão não é entender que sempre podemos colocar algo mais no vaso, e sim, a ordem das coisas.

Se colocarmos a água primeiramente até a boca do vaso não caberão mais pedras grandes ou pequenas e a areia. As pedras grandes representam tudo o que é mais importante em nossas vidas, tais como a nossa família, nossos amigos, nossa espiritualidade, nossa realização profissional. Se estas coisas não forem colocadas como prioridades em nossas vidas não adiante alegar que não temos tempo para tudo. O que é pouco importante é que deve deixar de ser feito.

É importante saber administrar a vida e não o tempo

A questão essencial que não é percebida pela maioria é que temos diversos papéis na vida: o pessoal, o familiar, o social, o espiritual e o profissional. Estes papéis, por mais diferentes que sejam, se encerram dentro do mesmo indivíduo e são indissociáveis. Isto quer dizer que qualquer um que for negligenciado causará uma perda e uma angústia na pessoa. E o resultado não ficará encerrado só naquele papel, porque o indivíduo insatisfeito no trabalho leva seus problemas e frustrações para casa e vice-versa, na grande maioria das pessoas. Uma pessoa vazia espiritualmente sofre e leva, de um jeito ou de outro, os efeitos da frustração para outros papéis.

Por isto é importante saber administrar a vida e não o tempo. Saber colocar no topo das prioridades aquilo que, de fato, representa algo de grande valor para a pessoa e que a dedicação a tais valores trará sentimento de satisfação, realização e felicidade.

A sociedade atual sufoca o indivíduo com uma enxurrada de coisas sem a menor importância, mas trazem a ilusão de que são essenciais. É a presença nas mídias sociais, as séries de TV, o consumismo exagerado, entre muitas futilidades que nos tomam um tempo absurdo.

É tempo de repensar o que estamos atraindo e consumindo em nossas vidas, porque uma coisa é certa: ainda não inventaram um meio de passear no tempo. Usemos isto com sabedoria.

*****

Marcos Rabstein é sócio-diretor da M2ALL Consultores, empresa de consultoria, treinamento e coaching, especializada em planejamento  e gestão empresarial com focos em marketing, vendas processos e pessoas. m2all@m2all.com.br

Conecte-se ao colunista no LinkedIn clicando aqui.